segunda-feira, 9 de julho de 2012

Os Melhores Filmes com Apelo e Crítica Social Pt.3

Essa é a terceira parte da lista com os 30 melhores filmes com apelo e crítica social. Mesmo citando tantos filmes, ainda assim vários outros tão bons quanto os que foram apresentados aqui ficaram de fora. Vejam a Parte 1 e a Parte 2.

1° Clube da Luta (Fight Club - 1999):


Obra prima de David Fincher, Clube da Luta é uma crítica contundente ao estilo de vida almejado pela maior parte da população mundial. É um filme que retrata o consumismo como um vazio que tenta preencher outro vazio. Edward Norton, Brad Pitt e Helena Bonham Carter desempenham eximiamente seus papéis. 




2° Dúvida (Doubt - 2008):


Quando na escola St. Nicholas o padre Flynn (Philip Seymour Hoffman) passa a dar uma atenção peculiar para um dos alunos, a irmã Aloysius (Meryl Streep), consumida pelo temor do que pode estar ocorrendo, resolve fazer o que estiver em seu alcance para distanciar o padre da escola.  





3° Beleza Americana (American Beauty - 1999):

O próprio título possui um sentido que não é aquele que pensaria um desavisado. American Beauty é uma rosa desprovida de aroma e espinhos, embora seja bela. Só isso já é uma denúncia da falácia do Sonho Americano. O que vemos no filme, entre outras coisas, é a fachada perfeita escondendo famílias desfragmentadas, pessoas perturbadas, jovens perdidos, mulheres submissas e conservadores confusos e reprimidos. A história gira em torno de Lester Burnham (Kevin Spacey), um típico “loser” (esse termo já diz um pouco sobre boa parte da cultura norte-americana), com um emprego medíocre, uma esposa que não o ama e uma filha que não o respeita. Tudo começa quando ele se satura de todo esse comodismo e começa a mudar sua própria vida. 

4° Trainspotting - Sem Limites (Trainspotting - 1996):

Assim como Requiem Para um Sonho, Trainspotting expõe a degradação física e psicológica decorrente do uso de drogas pesadas, no caso, a heroína. A vida das personagens se resume à próxima dose e todo resto fica negligenciado.  







5° Quero ser John Malkovich (Being John Malkovich - 1999):

No andar sete e meio do prédio onde trabalha, Craig (John Cusack) encontra, por acidente, um túnel que leva até a mente de John Malkovich, o ator que interpreta a si mesmo nesse filme. Roteiro de estreia de Charlie Kaufman, famoso por trabalhos interessantes como Adaptação (Adaptation) e Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças (Eternal Sunshine of the Spotless Mind). Craig passa então a lucrar com o portal, cobrando pelo seu uso. Seus clientes pagam pela possibilidade de viverem a vida de outra pessoa.

6° O Senhor das Armas (Lord of War - 2005):

Yuri Orlov (Nicolas Cage) é um homem que descobre que pode fazer lucro vendendo armas, mas à medida que vai crescendo, descobre o funcionamento intrincado dessa poderosa indústria que se alimenta de constantes e incessáveis guerras. A morte o rodeia por todos os lados e ele deixa de ser o homem que um dia fora para se tornar o Lorde das Armas.




7° Milk - A Voz da Igualdade (Milk - 2008):


Papel que deu o Oscar ao ótimo ator Sean Penn, que interpreta a história real de Harvey Milk, um ativista gay em pleno início dos anos 70, época em que a homofobia era aceita e tida como comportamento normal frente à homossexualidade, que era tratada como doença.





Cidade de Deus - 2002:

Realidade crua do cotidiano dos moradores da favela Cidade de Deus, marcada pela violência e tráfico de drogas. Somos apresentados a tudo isso através dos olhos de Buscapé, jovem que acompanhamos durante o filme. 







9° Deus da Carnificina (Carnage - 2011):

Após a discussão de duas crianças, seus pais se reúnem para conversarem sobre o ocorrido. O que começa de forma cordial toma proporções maiores, revelando personalidades conturbadas, preconceitos latentes e muito falso moralismo. Dirigido por Roman Polanski e com grande elenco: Kate Winslet, Christoph Waltz, Jodie Foster e John C. Reilly.




10° Psicopata Americano (American Psycho - 2000):
 
Imagino que esse seja o filme menos esperado de toda a lista, afinal ele trata de um serial killer que se diverte matando suas vítimas das formas mais brutais possíveis. Mas a essência do filme está na desvalorização do humano como pessoa. A identidade dos personagens está mais no terno que vestem, no cartão personalizado que apresentam e nos produtos que possuem. No desfecho do filme isso é explorado de forma bastante interessante. Além disso, há também a ótima atuação de Christian Bale.

4 comentários:

  1. Clube da Luta é um filme a frente de seu tempo, não somente nesse quesito de crítica social, quanto a muitos outros subtemas em que ele aborda perfeitamente.

    Ótima citação! Bem lembrado.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! O Clube da Luta realmente se encaixa em diversas categorias e explora muito bem tudo aquilo que discute. É um dos melhores filmes que eu já vi e o filme que me fez virar fã do David Fincher.

      Abraço!

      Excluir
  2. Beleza Americana é um dos meus filmes prediletos. Uma crítica ácida e muito pertinente da sociedade não só norte-americana como ocidental também. Ótima lista.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! Eu já assisti Beleza Americana trocentas vezes e simplesmente não canso. O filme é realmente muito bom! Não só pela crítica em si, mas pela forma como explora e desenvolve as personagens. Acho que no fundo todo mundo é um pouco como o Lester Burnham, antes e depois da transformação.

      Obrigado pelo comentário! Abraço!

      Excluir

Obrigado por comentar!
Evite escrever em CAIXA-ALTA.
Críticas são bem vindas, mas lembre-se de ser educado.
Fique à vontade para fazer sugestões ou para complementar o post com suas ideias e conhecimentos.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...